Ainda não há comentários

APENAS UM TOQUE (Mt 8; 1-3)

Enfim, o sermão da montanha chega ao final. Qualquer pregador teria motivos de sobra pra comemorar. As multidões o apertavam, já que Ele era forte e preciso em suas palavras. Era muito bom ter alguém como assim em certos momentos. Mas, agora ele esta descendo lentamente por entre as pedras da colina. Cercado por todo tipo de pessoas; ricas, pobres, sãs e enfermas, perdidos e achados. De repente, próximo ao pé do monte das bem aventuranças, uma fala chama a atenção do Mestre pela forma singular do pronunciante. ´´Senhor, se tu quiseres, pode tornar-me limpo“. O impacto da fala do andarilho serviu como um magnetismo atraindo os sentidos de Cristo. O homem, em um passado não tão remoto, era sadio, gozava de vida e amigos. Quem sabe uma família também. Mas, por algum motivo foi atacado de uma enfermidade (em hebraico tsará ath, em grego lépra). Segundo a antropologia bíblica, tal enfermidade o isentava de amigos, convívio social, trabalho e até da liberdade de cultuar no templo ou nas sinagogas, uma vez que cerimonialmente era uma pessoa impura segundo a declaração litúrgica da lei sacerdotal. Todo aquele que tivesse contato físico, mesmo que uma aproximação ou um toque, também sofreria as mesmas sanções. Uma capa escura e fétida estava por sobre seus ombros, um sino soava com um som estridente e agudo enquanto que de seus lábios ecoavam brados confirmando sua moléstia. Ao visualizar e ouvir estes sinais, as pessoas próximas, de forma sincronizada e rápida evadiam-se de perto. Era sempre assim, mas não dessa vez. Não com esse carpinteiro. Não este pregador da Galiléia. O que o tornava diferente? Por que ele não se empolgou com a multidão e esqueceu aquele alienado social? Enquanto tais perguntas eram feitas por muitos, La vem o Cristo na direção do andarilho. ´´Senhor, se tu quiseres, pode tornar-me limpo“. -´´Senhor“. Enquanto os sadios tinham dificuldade, esse leproso reconhece o senhorio do Mestre e o chama pelo título que lhe é devido. -´´se tu quiseres“. Não obstante o fato de reconhecer o senhorio de Cristo, ele ainda reconhece que sua própria vontade não pode ser maior que a do seu Senhor. -´´podes“.Uma alusão ao atributo inerente do Senhor. A onipotência. Senhor, tu podes, basta que tu queiras. -´´tornar-me limpo“. Devolver-lhe a vida. Restaurar a sorte. Trazer de volta o que os anos levaram. Jesus concorda, toca no leproso e diz: ´´Quero, sê limpo“. E o homem imediatamente ficou limpo de sua lepra. Hebreus 11: 3´´pela fé nós cremos que, os mundos, pela palavra de Deus foram criados“. Ora, se Jesus Cristo é Deus seria mesmo necessário tocar no leproso pra que este ficasse curado? Na verdade, o que solucionou o problema da lepra da carne foi à fala e a concordância de Cristo. Mas, ao tocar no homem, Jesus estava solucionando um mal bem pior. Anos de exclusão, de afastamento, de falta de carinho, isenção de amor, dissabor, saudades de um abraço. ´´e Jesus tocou-lhe“. Nem mesmo o sucesso de horas antes obtida no sermão fantástico foi capaz de lhe tirar a sensibilidade pela dor humana. Nem mesmo os aplausos e a aprovação dos críticos de oratória lhe roubaram o amor pelo próximo. O seu prestigio pessoal lhe era menor que a dor intensa da humanidade. ´´e Jesus tocou-lhe“. A lepra não tornou Cristo impuro, todavia suas palavras curaram o homem da enfermidade e o toque revolucionou toda sua estrutura interna que, mais do que o estereótipo, precisava de uma intervenção divina. A vida do andarilho teve um novo RUMO. Um marco mudou a trajetória do individuo excluído, ´´o antes e o depois do toque de Jesus“. Como precisamos desse toque em nossa geração da pós modernidade. Miseráveis necessitados impedidos de receberem socorro por um sistema religioso que caminha a passos largos a falência. Menores esquecidos, filhos pródigos dentro dos lares. Chamados por Deus perdidos em suas buscas pelo nada. Valorizamos mais as coisas do que as pessoas. Oh, sociedade materialista, até quando estarás no sono da negligencia? Que o toque do Mestre nos alcance e sejamos de fato transformados. Batemos no peito e nos orgulhamos afirmando ter Deus na vida. Será mesmo que o temos? Jacó, ao ser tocado voltou andando diferente. Quem recebe o toque do Filho do Homem, tem que necessariamente andar diferente. Que sejamos de fato tocados, e assim alcançaremos uma mudança em nosso interior, uma cura em nossa alma e uma transformação em nosso caráter que tanto precisa ser moldado.

_________________________________________________________________________
(Daniel Andrade) ou simplesmente o Cativante ´´Day“

*Autor(a): Daniel Andrade, jovem pregador, articulista, congrega no setor 11(castanheira 1) acadêmico de psicologia.

Publicar um comentário